Sarna negra (demodécica) tem cura?

0
149

A doença não é contagiosa e pode ser tratada, com medicamentos e cuidados específicos

Muito se ouve falar sobre a sarna canina, uma infecção de parasita, que pode passar para os humanos e faz com que a vítima se coce sem parar.

Mas este não é o único tipo da doença. Ela  se apresenta também com o nome de sarna negra, cientificamente chamada demodécica. Nessa versão, em vez da coceira, o bicho apresenta feridas com secreções e odor forte. A doença pode afetar cachorros e, raramente, coelhos.

A doença atinge os cães principalmente antes da idade adulta e geralmente é passada da mãe para o filhote durante o parto ou amamentação. Sem o tratamento adequado, esse tipo de sarna pode provocar outros tipos de doença no cão.

O que é?

O causador dessa sarna é um ácaro minúsculo que recebe o nome de Demodex canis, muito pequenos para serem vistos a olho nu. Assim como os seres humanos, os cães também tem ácaros e bactérias que vivem tranquilamente em sua pele e o Demodex é um deles.

Fonte: PetGusto

Quase todos os cães adquirem ácaros de sarna de suas mães nos primeiros dias de vida. Esses ácaros são considerados normais na fauna da pele quando em número baixo. Quando eles estão em equilíbrio e em pequena quantidade, não causa nada ao animal, sua existência é imperceptível, mas quando o sistema imunológico é anormal permite que esses números fujam ao controle. Isso ocorre principalmente em filhotes ou em cães adultos com baixa imunidade. Uma alta incidência de sarna em certas linhagens sugere que alguns cães de raça nascem com uma suscetibilidade imunológica inata. Ou seja, a sarna demodécica é genética. Por isso é importante avaliar e investigar bem o canil antes de comprar um cão de raça.

A sarna negra ou sarna demodécica é diferente da sarna comum. Além de ser mais agressiva e difícil de ser controlada, ela não é contagiosa a outros animais e seres humanos.

A sarna demodécica ocorre nas formas generalizada e localizada. O diagnóstico é feito retirando múltiplas escamas de pele e procurando pelos ácaros. As sarnas demodécicas costumam ser fáceis de encontrar.

Como isso acontece?

A sarna negra não é uma doença contagiosa e sim hereditária. Seu cachorro pode dormir bem e no dia seguinte, você notar uma queda de pelo, que costuma iniciar ao redor dos olhos ou principalmente nas costas próximo ao rabo. Fica como se fosse um contorno do olho sem pelo, e nas costas fica com pouco pela e avermelhado. Em casos mais graves, se espalha pelo corpo todo. Crostas são formadas sobre as lesões.

Os mais atingidos são os filhotes com menos de 1 ano de idade. No entanto, cães adultos também podem desenvolver a doenças se estiverem com o sistema imunológico enfraquecido ou, quando passa por algum estresse. Uma mudança de casa, o dono ausente por mais tempo do que o normal, a chegada de um novo membro na família, fogos de artifícios e até mesmo o trovão, ou qualquer outra alteração que possa deixar o bichinho estressado, pode ser suficiente para a sarna aparecer.

Fonte: Peludos e penosos

Quais os dois tipos de sarna demodécica?

  • Sarna demodécica localizada
Fonte: Tudo sobre cachorros

Essa doença ocorre em cães menores de 1 ano de idade. A aparência da pele é similar a da micose. O principal sinal é a perda de pêlo ao redor das pálpebras, lábios e cantos da boca, e ocasionalmente no tronco, pernas e nas patas. O processo evolui para manchas irregulares de perda de pelos de cerca de 2.5 cm de diâmetro. Em alguns casos a pela fica vermelha, com escamas e infecções.

A sarna localizada costuma passar espontaneamente em seis a oito semanas, mas pode aumentar e diminuir por muitos meses. Se houver mais de cinco focos de mancha, a doença pode estar progredindo para a forma generalizada. Isso ocorre em aproximadamente 10% dos casos.

  • Sarna demodécica generalizada
Fonte: Web Animal

Cães com a doença generalizada desenvolvem áreas de perda de pêlos na cabeça, pernas e tronco. Essas manchas se encontram formando grandes áreas de perda de pêlos. Os folículos pilosos se ligam aos ácaros e as escamas da pele. A pele se rompe formando feridas, crostas, apresentando uma doença mais incapacitante. Aguns casos são uma continuação da sarna localizada; outros se desenvolvem espontaneamente em cães mais velhos.

Quando a sarna generalizada se desenvolve em cães com menos de 1 ano de idade, as chances são de 30 a 50 porcento de que o filhote se recupere espontaneamente. Não se sabe se o tratamento médico acelera essa recuperação.

Em cães com mais de 1 ano de idade, a cura espontânea é improvável, mas as perspectivas de melhora com tratamento médico aumentaram dramaticamente nas últimas décadas. A maioria dos cães alcança a cura com tratamento intenso. A maior parte dos casos remanescentes pode ser controlada se o dono estiver disposto a empenhar o tempo e despesas necessárias.

Quais são os sintomas no geral?

  • Perda de pelo ao redor dos olhos e focinho;
  • Perda de pelo nas extremidades do corpo, como nas pernas, patas, rabo e orelhas;
  • Manchas espalhadas pelo corpo, em decorrência da falta de pelo;
  • Pele avermelhada, irritada e em descamação;
  • Coceira;
  • Feridas (em casos mais graves).
Fonte: Dicas Peludas

Os sintomas de sarna negra podem evoluir em poucas semanas, por este motivo, ao menor sinal da doença é necessário que o cachorro passe por consulta com um veterinário. Vale alertar que quando o cão apresenta mais de cinco manchas por conta da falta de pelos, é muito provável que a doença esteja evoluindo para um quadro mais grave, como a sarna demodécica generalizada.

Existe tratamento?

A doença é identificada através de exames clínicos, onde a pele do animal é observada e o diagnóstico é confirmado se for detectada a presença dos ácaros causadores da sarna negra. O tratamento indicado varia de acordo com a gravidade da doença.

  • Na Localizada:

Quando a sarna negra está em fase inicial, a orientação é dar banhos no cão com loções específicas e medicamentos via oral que o veterinário irá receitar. Já quando está evoluindo para um quadro mais grave, além do uso de loções, é necessário que os medicamentos sejam administrados diretamente na corrente sanguínea. A medicação deve ser aplicada com uma camada do pêlo para minimizar a queda. O tratamento pode fazer a região parecer pior nas primeiras duas ou três semanas.

Não há evidências de que tratar a sarna localizada evite que a doença se torne generalizada. O cão deve ser examinado novamente em quatro semanas.

  • Na Generalizada:

A sarna demodécica generalizada deve ser tratada sob supervisão constante do veterinário. O tratamento envolve o uso de xampus e banhos para remover as escamas da superfície e matar os ácaros. Raspe ou corte os pêlos das regiões afetadas para facilitar o acesso a pele. Em casos mais graves, o veterinário irá prescrever remédios de uso oral ou aplicar injeções no cachorro.

Muitas veterinários indicam a injeção de Ivermectina, mas saiba que só essa injeção não irá tratar o seu cão adequadamente. Outras pessoas dizem que é só dar banho  com erva-de-bichou ou melão de são caetano, mas saiba que somente isso também não irá funcionar.

No caso do medicamento oral, existem três opções:

  • Total R$ 26,00 – A opção mais barata é um remédio manipulado que deve ser receitado pelo veterinário: Ivermectina 3mg com Fluoxetina 16mg (R$ 26,00 – dar no almoço) com 60 capsulas e após esse período se não melhorar, aumentar a dose para Ivermectina 6mg por mais 30 dias e se não tiver mais coceira retirar a Fluoxetina (sempre acompanhado pelo veterinário).
  • Total R$ 197,90 – Mas se o remédio acima não funcionar em 60 dias, deve continuar administrando com mais alguns remédios: deve dar o Simparic (R$ 69,90, para um cão 10kg a 20kg – dar a noite) 1 pastilha mastigável de acordo com o peso do seu cão, corticoide (R$ 12,00 – dar no almoço) por 7 dias (somente em caso de necessidade e mg de acordo com o que seu veterinário lhe informar – no caso de um cão de 15kg, administrei 10mg por dia por 7 dias) e também Nutralogic (R$ 90,00, 2 comprimidos por dia para um cão de 15kg – dar de manhã) para melhorar o sistema imunológico do seu cão.
  • OBS: se começar a vomitar ao administrar esse remédios, informe seu veterinário.
  • Total de R$ 105,00 até R$ 420,00 – A terceira opção e mais cara é uma bisnaga de 4ml com Imidacloprida 100 mg e Moxidectina 25 mg (R$ 105,00 cada aplicação) e pode ser comprada em qualquer agropecuária, mas deve se administrada de acordo com o peso do cão e o tipo de sarna. No caso de Otodécica e Sarcóptica 1 a 2 aplicações com intervalo mensal são suficientes. Para a Demodécica de 2 a 4 aplicações com intervalo mensal para controlar os sintomas.

*Quero fazer uma observação pessoal: Meu cão tem duas sarnas: a sarna de orelha (Otodécica) e a sarna negra (Demodécica). Faz 2 anos que procurava tratamento e não encontrava. Não é fácil e nem barato e ele exala um odor insuportável, mas é possível tratar se a pessoa querer. Em 60 dias com o tratamento da primeira opção, ele continuou na mesma. Então meu veterinário aumentou a dose de Ivermectina para 6mg junto com os remédios da segunda opção, em nenhum momento meu cão vomitou, e em menos de 1 semana já vi a diferença, os pelos do corpo voltaram a crescer e meu cão está mais feliz e brincalhão. Meu cão ainda está em tratamento, e assim que melhorar completamente, colocarei as fotos aqui do antes e depois. – Lembrando que sempre foi com acompanhamento de um veterinário.

Além desse cuidado, deve-se:

  • Dar banho semanais com loções especificas que hidratam a pele;
  • Utilizar xampus que removem as escamas e matam os ácaros;
  • Raspar ou cortar o pelo, no caso do uso das pomadas anti-ácaros e calmantes;
  • As vacinas devem estar dia;
  • Dar rações e suplementos multivitamínicos para aumentar a imunidade;
  • Evitar deixá-lo estressado (tratamento homeopático).

Tem cura?

A sarna negra não tem cura, mas os tratamentos são extremamente eficazes e capazes de controlar a doença. Sendo assim, o cão que desenvolve a sarna demodécica uma vez deve receber todo cuidado necessário para que a doença não se manifeste novamente, para isso, a alimentação deve ser adequada, os banhos somente com loções que hidratam a pele do cão e as vacinas dadas em dia.

Quando há necessidade de tratamento com medicação, eles vão desde os polivitamínicos, a medicações injetáveis, vermífugos (animais com quadro de verminoses ficam mais fracos e acabam apresentando os sinais da sarna), banhos com produtos específicos e em casos de infecção bacteriana secundária, até antibióticos. Dependendo do caso, algumas pomadas que ajudam a controlar o ácaro, também são receitada. Só é necessário ter bastante cuidado para não cair no olho.

Antes e depois

Fonte: Pampet
Fonte: Pampet
Fonte: Mãe de Sharpei
Fonte: Luiz Ladeira
Fonte: Seu Buldogue Francês (em tratamento)
Fonte: Projeto amigos dos animais de rua
Fonte: Doutor Coruja

Cuidados especiais

Não há como prevenir que a doença apareça, mas existe como fazer para impedir com que ela se propague ainda mais. Os donos de cães que tem sarna demodécica devem seguir alguns cuidados para que a doença não acometa mais animais.

  1. Castrar machos e fêmeas que tenham a doença para impedir que esses cães gerem filhotes com propenção à sarna demodécica;
  2. Evitar o acasalamento de cães que tem a doença;
  3. Os cães que tenham sarna demodécica depois de adultos (principalmente depois dos 5 anos), devem ser examinados a fundo para serem descobertas possíveis outras doenças no animal.

Quais os outros tipos de sarna?

  • Sarna Sarcóptica (causada pelo ácaro Sarcoptes Scabiei);

A Sarna Sarcóptica ou Escabiose (ácaro Sarcoptes scabiei) acomete cães e gatos, porém é mais rara em gatos. O ácaro perfura a pele dos animais, formando túneis, provocando coceira intensa, crostas, erupções avermelhadas na pele, queda de pelos e algumas vezes infecção secundária. É altamente contagiosa e também se trata de uma zoonose, ou seja, é uma doença que pode ser transmitida dos animais para os seres humanos. A transmissão ocorre pelo contato direto, em todas as épocas do ano.

  • Sarna Otodécica (causada pelo ácaro Otodectes cynotis);

A Sarna Otodécica ou Sarna de Ouvido (ácaro Otodectes cynotis) é transmissível entre cães e gatos por contato direto. O ácaro fica na superfície dos ouvidos e na parte interna das orelhas, alimentando-se de restos celulares. Causa coceira intensa (às vezes ao ponto do animal se machucar e apresentar lesões), balanço de cabeça, acúmulo de cerúmen (cera), bastante irritação local e às vezes pode haver infecção bacteriana secundária, causando otite. As lesões podem atingir outras partes do corpo se o animal não for tratado.

Quais as raças que são mais propensos a terem essa doença?

Algumas raças apresentam mais a doença que outras, provavelmente pelo resultado de cruzas sem cuidados. São elas: Pastor Alemão, Dachshund, Pinscher, Bulldog Inglês, Bulldog Francês, Yorkshire, Cocker Spaniel, Boxer, Dálmata, Bull Terrier, Pit Bull, Shar Pei, Dobermann, Collie, Afghan Hound, Pointer e Pug.

Fonte: Special Dog

Vale lembrar que embora todos os cães tenham esse ácaro, nem todos, mesmo que criados juntos, terão os sinais dessa sarna. É uma característica individual. Além disso, não é necessário isolar o bichinho nem se preocupar em não pegar, pois essa sarna não pega em gente.

Um cachorrinho que tem sarna negra precisa ser constantemente monitorado pelo médico veterinário, pois mesmo após o tratamento, ela pode voltar durante toda a vida. Caberá ao proprietário ficar atento para que o tratamento seja feito rapidamente e o protocolo do profissional seja totalmente seguido. Assim o cachorrinho ficará bem!


Tem algo escrito errado? Ficou com alguma dúvida? Avise-nos clicando abaixo.

Faça uma pergunta


Fonte: Blupet, Tudo Sobre Cachorros, Entretenimento R7, PetGusto, Geração Pet.

Deixe uma resposta